Diabetes quadruplica e já mata 1,5 milhão de pessoas ao ano, alerta OMS

06/04/2016
BBC Brasil

O mundo está enfrentando uma "marcha implacável" de diabetes, doença que já afeta quase 1 em cada 11 adultos, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde). Em um grande relatório, o órgão alertou que os casos praticamente quadruplicaram, passando de 108 milhões em 1980 para 422 milhões em 2014. Níveis elevados de açúcar no sangue estão relacionados a 3,7 milhões de mortes por ano, de acordo com a OMS. A OMS diz que os números continuarão a aumentar se "ações drásticas" não forem tomadas. O relatório coloca os tipos 1 e 2 de diabetes juntos, mas o aumento de casos se deve principalmente ao tipo 2, que está ligado à alimentação pouco saudável. Com o aumento do número de pessoas acima do peso no mundo - atualmente, 1 em cada 3 tem sobrepeso -, os casos de diabetes também aumentaram.

Raio-x da diabetes
- 422 milhões de adultos tinham diabetes em 2014, ou
- 314 milhões a mais do que em 1980
- 8,5% de adultos têm diabetes no mundo
- 1,5 milhão de pessoas morreram em consequência da diabetes em 2012
- 2,2 milhões de outras mortes foram causadas por níveis de açúcar altos no sangue
- 43% dessas 3,7 mi pessoas morreram antes dos 70 anos
Fonte: OMS

"A diabetes é uma doença silenciosa, mas está em uma marcha implacável que precisamos interromper", diz Etienne Krug, da OMS. "Podemos interrompê-la, sabemos o que precisa ser feito - não podemos deixá-la evoluir como tem ocorrido, porque isso tem um impacto enorme na saúde das pessoas, famílias e sociedade." O descontrole de níveis de açúcar no sangue tem consequências devastadoras. Ele triplica os riscos de ataque cardíaco e aumenta em 20 vezes as chances de a pessoa ter a perna amputada, além de aumentar os riscos de derrame, falência nos rins, cegueira e complicações na gravidez. A diabetes é a oitava maior causa de morte no mundo - são 1,5 milhão de mortes por ano. Mas outras 2,2 milhões de mortes são relacionadas a altos níveis de açúcar no sangue. E 43% dessas mortes ocorreram antes dos 70 anos.

Mudança

Nos anos 1980, as maiores taxas de diabetes estavam em países ricos. Mas, em uma transformação marcante, são os países de baixa e média renda que estão lidando com o fardo mais pesado agora. "Foi neles que vimos o maior aumento. Como sabemos que a maioria da população mora nessa parte do mundo, isso mostra que os números vão continuar a crescer se uma ação drástica não for tomada", diz Krug. O Oriente Médio viu a diabetes aumentar percentualmente de 5,9% dos adultos em 1980 para 13,7% em 2014. "Somos a região que experimentou o maior aumento em diabetes, indo de 6 milhões para 43 milhões (de pacientes) - é um aumento enorme", diz Slim Slama, especialista da OMS na região. "No Catar ou Kuwait temos mais de 20% da população com diabetes e, quando você olha para subgrupos, pessoas com idades entre 45 e 60 anos, a taxa sobe para 30 ou 40%, o que é ainda mais preocupante." Ele disse que populações que estão crescendo e envelhecendo estavam entre as razões do aumento, mas que o problema maior era dieta pobre e falta de atividade física. Mais de três quartos dos adolescentes da região fazem menos exercícios do que o recomendado, diz.

Ação
O relatório da OMS diz que a solução para o problema passava pela ação da sociedade como um todo. "A solução ‘fácil’ é que todos passem a fazer exercício, comam de forma saudável e não ganhem peso em excesso - mas claro que isso não é tão fácil", diz Krug. Ele pediu que governos regulem quantidades de gordura e açúcar nos alimentos para garantir uma oferta saudável de alimentos. Image copyrightOMS Image caption O brasileiro Roque, de 70 anos, ficou cego há 9 por causa da diabetes Um planejamento urbano melhor, que encoraje as pessoas a andar de bicicleta e a pé, também é essencial, de acordo com o especialista. Ele também pediu que a indústria alimentícia aja com responsabilidade e reduza as quantidades de gordura e açúcar nos alimentos - e que pare de fazer propaganda de alimentos pouco saudáveis para jovens. Apenas por meio do controle dos níveis de açúcar no sangue é possível controlar as complicações potencialmente fatais da diabetes. Mas o relatório mostra que dois terços dos países de baixa renda não conseguiam fornecer acompanhamento especializado ou drogas como insulina ou metformina para a maioria das pessoas. "Duas coisas me preocuparam no relatório. Uma é que 1 em cada 11 pessoas, hoje, tem diabetes. Outra é a desigualdade. Hoje, nos países em desenvolvimento, a maioria das pessoas que têm diabetes e precisam de acesso a medicamentos e tecnologia não o consegue", afirma Krug.


Compartilhe: