A importância do pronto atendimento na atenção domiciliar

Boletim Março 2016


Para um paciente que precisa de cuidados médicos específicos, estar em um ambiente acolhedor e tranquilo compreende uma parte importante do tratamento. Se esse local for sua casa, cercado com os cuidados de pessoas comprometidas com sua recuperação, melhor ainda!

A Integral Saúde está atenta aos cuidados específicos que este paciente pode precisar fora do hospital, dependendo do seu estado clínico. Aqui entra o serviço de pronto atendimento oferecido no âmbito domiciliar.

Para atender o paciente em internação domiciliar, no caso de uma intercorrência clínica, a Integral disponibiliza uma central telefônica onde enfermeiros de plantão fazem uma triagem relativa à variação clínica apontada. O paciente faz o contato com a central e informa a intercorrência ao enfermeiro e todas as informações são passadas para o médico, em plantão 24h, que delibera a conduta a ser aplicada; a partir da notificação do caso.

O PRONTO ATENDIMENTO DOMICILIAR FUNCIONA ASSIM:
  1. PACIENTE EM CASA COM INTERCORRÊNCIA CLÍNICA
  2. LIGA PARA A CENTRAL TELEFÔNICA
  3. O ENFERMEIRO AVALIA O CASO
  4. FEITA A TRIAGEM, O ENFERMEIRO NOTIFICA O MÉDICO DE PLANTÃO
“O pronto atendimento funciona para resolver a intercorrência clínica apontada pelo enfermeiro que fez a triagem. Trabalhamos em conjunto, há situações que a enfermagem tem total aptidão para fazer, mas, mesmo assim, eles notificam o médico de plantão; que acaba informado sobre todos os acontecimentos do PA.”
- Dra. Marta Wohlers Coordenadora Médica do pronto atendimento.

Funcionando 24 horas por dia, e de domingo a domingo, o serviço tem estrutura para atender às intercorrências com disponibilidade total. Conforme explica a enfermeira Priscila Santos, Coordenadora do pronto atendimento:
“Dependendo de cada caso, é enviado um enfermeiro na residência para fazer uma avaliação ou um procedimento. Tem situações em que o médico entra com o antibioticoterapia ou outra medicação e, se for necessário, envia uma ambulância. É o que nós chamamos de Atendimento Pré-Hospitalar (APH)”


Após a avaliação no domicílio, o médico da APH faz contato com o médico da Integral, passa o caso e eles decidem se o paciente permanece no domicílio ou se é removido para o hospital.

O ATENDIMENTO DESDE O PRIMEIRO MOMENTO DA INTERCORRÊNCIA:
  • 1ª fase: O enfermeiro conduz, faz a triagem e as orientações de enfermagem
  • 2ª fase: O enfermeiro faz a triagem e, não conseguindo estabilizar o paciente, passa para o médico que faz as orientações e as prescrições; tenta conduzir e manter o paciente estabilizado em domicílio
  • 3ª fase: Já feita a triagem com o enfermeiro, e passada situação para o médico, se for verificado que o caso é muito grave é acionada uma ambulância para fazer uma avaliação médica; enfermeiro no domicílio


“Muitas vezes entramos em contato com o médico assistente, do paciente, não damos conduta sem acordo com esse médico; tentamos trabalhar em associação com o médico assistente e com o médico visitador”
- Dra. Marta Wohlers Coordenadora Médica do pronto atendimento.

As demandas no setor são intensas, toda intercorrência clínica é passada para o pronto atendimento (problema respiratório, urinário, gastro, curativo de cateter venoso central, avaliação no domicílio e outros) e de lá são conduzidas. Por isso, o pronto atendimento é muito acionado.

Mas o diferencial de qualidade da Integral está na busca pela manutenção da qualidade do serviço prestado. Para todo procedimento, o PA faz uma notificação que é enviada ao Comitê de Segurança do Paciente que, toda semana, se reúne para formular um plano de ação e trabalhar para evitar os erros que por ventura tenham sido detectados. Desta forma, formular protocolos para minimizar acidentes e o agravamento do paciente.

Segundo Priscila Santos, a direção da empresa e a equipe do PA estão muito próximas nas decisões voltadas para melhorias no processo.

“A gente trabalha com toda a equipe para gerar melhor qualidade no atendimento do paciente. Cada caso é avaliado desde o atendimento até os procedimentos, verificando-se a necessidade do que pode ser melhorado e aperfeiçoado”
- Priscila Santos Coordenadora Médica do pronto atendimento.

Compartilhe: